Agenda de retro eventos RSS Email RSS Agenda retro-informática + Notificar evento

Ver índice de webs/blogs

Super Nintendo para sempre! : Yoshi's Safari [[fuente]]


 Gênero: Tiro/SimuladorAno: 1993
Fabricante: Nintendo    
Aberta a temporada de caçaYoshi's Safari é um jogo de tiro sobre trilhos desenvolvido e publicado pela Nintendo; lançado em 1993 para Super Nintendo, o game é notável por fazer excelente uso do Mode 7, por utilizar a Super Scope e por ser o único jogo de tiro estrelado pelo Mario.

Super Scope
A Super Scope é a arma desenvolvida pela Nintendo para o SNES; com um tamanho consideravelmente avantajado, a arma era utilizada apoiada sobre o ombro, como uma bazuca, fazendo uso de um sistema de mira óptica; a Super Scope tinha os botões Fogo, Cursor, Pause e Liga/Desliga; a arma não tinha fios, e fazia uso de um receptor ligado ao console e de seis pilhas AA para funcionar. A Super Scope vinha acompanhada do game Super Scope 6 e poucos jogos foram feitos para o acessório.

HistóriaBowser e seus filhos atacam a Jewlery Land, e roubam todas as jóias do reino, desesperados, o Rei Fret e o Príncipe Pine enviam uma carta à princesa Toadstool, pedindo por ajuda; após ler a carta, a Princesa pede para que Mario e Yoshi salvem Jewlery Land dessa ameaça.

GráficosSão excelentes; como dito anteriormente, o game faz excelente uso do Mode 7, proporcionando uma ótima sensação de profundidade e de ambiente amplo, pois os caminhos costumam ser bastante sinuosos; os inimigos são muito bem feitos e variados, com destaque para os mestres das fases, que são bastante diversificados no que diz respeito à aparência; a animação do jogo é excelente.
Imagens do jogo

SomÓtimo; as músicas presentes no jogo são muito boas, bastante cativantes e que combinam bem com o universo dos games do Mario; os efeitos sonoros são muito bons, cumprindo bem seus papéis.

JogabilidadeExcelente; como havia dito no início do texto, este é um game de tiro sobre trilhos, com o jogador controlando Mario, que está montado em Yoshi, deve atirar contra os inimigos que aparecem pelos cenários, seja no ar ou no chão, o jogador deverá abatê-los antes que atinjam Mario e Yoshi, que têm seu progresso interrompido.
Por se tratar de um jogo de tiro sobre trilhos, a movimentação é automática, passando por trilhas bastante sinuosas, nas quais a posição dos personagens pode variar, contudo, alguns elementos da movimentação, fora a mira, ainda estão sob o controle do jogador, como os diversos caminhos alternativos que existem pelas fases, cabendo ao jogador escolher qual rumo deseja seguir, atirando nas porteiras que existem nas bifurcações; outro aspecto da movimentação que está sob controle é o pulo, que pode ser utilizado para ultrapassar obstáculos e em algumas batalhas contra mestres.
Com relação à artilharia, a Super Scope precisa ser calibrada dentro do próprio game antes de começar a partida, mas ela se revela bastante precisa; dentro do jogo, deve se abater os inimigos antes que estes alcancem os personagens, com relação aos mestres, as formas para derrotá-los são bastante engenhosas e exigem mais so que apenas atirar feito louco, para vencer, o jogador deve em muitos casos descobrir o ponto fraco ou o meio para atingir o inimigo. A dificuldade é progressiva e não há meios de salvar o progresso do jogador.

Considerações finaisYoshi's Safari é um game deveras interessante, não apenas por ser um dos poucos jogos do Super Nintendo a utilizar a Super Scope, mas por colocar o Mario em uma posição bastante inusitada, que é a de atirador; fora isso, o game é bastante competente em todos os aspectos, principalmente a diversão.
Utilize o mouse como Super Scope, no emulador Zsnes, aperte 7 até ligar a opção da Super Scope.
Créditos Review: Gabriel

Download: Clique Aqui!

Super Nintendo para sempre! : Dicas e Truques: Nosferatu [[fuente]]


Análise
Seleção de Fases:
Na tela de configuração, coloque o cursor na opção "Exit"  e então pressione:  L, L, R, R, R, L, L, L.

Restaurar Power (cristal vermelho):
Durante o jogo, pause e pressione: ↑, X, →, A, ↓, B, ←, Y.

Restaura a energia( cristal verde):
Execute um pontapé para trás ← + Y, quando ele for dar o pontapé pause o jogo e aperte ↑, X,  →, A, ↓, B, ←, Y, Start. Fazendo isso, recuperará energia instantaneamente, e pode ser usado a qualquer hora.

Super Nintendo para sempre! : Dicas e Truques: F-Zero [[fuente]]


Análise Jogue na Master Class:
Para jogar na Master Class, complete qualquer liga da Expert Class.

Largue mais rápido:
No inicio de cada corrida, apitará três bipes, pressione o acelerador antes de aparecer a palavra GO!!!, assim, largará tão rápido quanto os seus adversários.

Mantenha a velocidade nos pulos:
Depois de um pulo a sua velocidade diminui em cerca de 70 km/h, para não perder a velocidade, mantenha pressionado ↓ quando você pular e só solte após a nave chegar ao chão, repare que a velocidade não diminui. 

Super Nintendo para sempre! : Dicas e Truques: Mickey Mania [[fuente]]


Seleção de fases:
No menu Sound Test, selecione a música "Beanstalk 1" e o SfX em "Extra Try". Agora coloque o cursor sobre a opção Exit e segure o botão L no controle  1 por uns 7 segundos, um som confirmará. Agora você vai para o menu de seleção de fases ao iniciar o game.

Super Nintendo para sempre! : Dicas e Truques: Mega Man X3 [[fuente]]


 AnálisePassword: Parte final do jogo com todos os E-tanks, armaduras, corações e partes. 
Obter armadura dourada:
Para conseguir a armadura dourada você não pode pegar nenhuma cápsula vermelha, tenha todos os corações, todos os E-tanks e a armadura completa, depois vá à primeira fase de Sigma e ao chegar na parte em que rolam bolas com espinhos entre na passagem secreta à esquerda do primeiro buraco com a energia cheia, lá você encontrará uma cápsula vermelha com a armadura dourada que possui as habilidades das outras cápsulas.
 
Obter a espada de Zero:
Para ter a espada de Zero, destrua Vile usando a Ray Splasher na primeira vez que o encontrar, habilitando a segunda fase de Sigma. Nesta segunda fase, use Zero para derrotar o sub-chefe Mosquitus e conseguir a espada.


Carregando os E-tanks:
Vá à fase de Gravity Beetle e use a Frost Shield para derrotar os inimigos que atiram mísseis, eles sempre deixam power-ups.

Super Nintendo para sempre! : Dicas e Truques: Mega Man X [[fuente]]


 Análise Password:Todos sub-tanks, todos turbo hearts, todos poderes, todos os chefes derrotados:  Obter o Hadouken:Primeiro de tudo, você precisa ter todas as partes das armaduras, todos os hearts (corações), todos os subtanks cheios, todos os poderes e ter o número máximo de vidas. Tendo tudo isso, vá na fase do Armored Armadillo e morra 3 vezes perto de onde você o enfrentaria. Isso sem levar nenhum dano. Então a cápsula vai aparecer e você ganhará a arte mística do Hadouken que mata qualquer inimigo com um toque! 
Depois de pagar o Hadouken, aperte ↓, →, Y, para executá-lo. O Hadouken somente será executado se estiver com a energia no máximo.

Retro Players: jogos antigos é com a gente! : Capcom confirma: RE Revelations 2 é real, e chega em 2015! [[fuente]]


Algumas imagens já haviam vazado na internet alguns dias atrás, mas agora é oficial: por meio de um curto teaser feito com atores reais, a Capcom confirmou a existência de Resident Evil Revelations 2, sequência do ótimo game lançado originalmente para Nintendo 3DS a alguns anos, e que foi remasterizado para diversas plataformas nos anos [...]

The post Capcom confirma: RE Revelations 2 é real, e chega em 2015! appeared first on RETROPLAYERS.

Retro Players: jogos antigos é com a gente! : No Tempo em que eu tinha Tempo [[fuente]]


Quando foi que o tempo começou a correr tão rápido, hein!? Sério, o que aconteceu com o tempo de sobra que tínhamos quando crianças? Tem algo errado e acho que a culpa é dos milhares de carros andando no mesmo sentido durante os engarrafamentos de verão. “Acho” não, eu tenho certeza! Pense comigo: para um carro [...]

The post No Tempo em que eu tinha Tempo appeared first on RETROPLAYERS.

QgMaster : High School Kimengumi - How to Use [[fuente]]




Olá pessoal! No embalo da nossa pesquisa do último catálogo, hoje vamos investigar novamente outro anime como game. Resolvemos analisar uma pérola desconhecida neste Mini-guide. Vamos encarar o fim das férias e voltar para a escola em High School Kimengumi.

P.S: Apenas vamos dar as dicas de como jogar, as surpresas cabem ao jogador, já que o game é bem curto.

Exemplar do mangá na versão francesa.

Escrito por Motoei Shinzawa durante 1980 a 1987, e seria a tradução de “Curso Colegial dos Caras engraçados”. Ele aborda as típicas estórias cômicas dos colegiais japoneses desajustados, os repetentes e por aí vai. No elenco temos 5 membros do clube. Rei é o líder, bem no estilo Francis Buerler só que mais hentai. Go que adora encher a cara, mas tem bom coração. Kiyoshi que gosta de espionar mulheres nas casas de banho e é o mais esperto do grupo. Jin, que é dorminhoco e sendo um sortudo, tem habilidades de mimetismo. E Dai que é meio afeminado e que curte se despir, porém é corajoso. Yui, caloura que se transfere no início do mangá e guarda uma paixão secreta por Rei. E Chie, que é a melhor amiga de Yui.  Na realidade, todos os nomes são meio trocadilhos como Kawa Yui é o trocadilho de “kawaii” e Mayunashi no Rei é o trocadilho de “sem sobrancelhas” .



Há  versões do anime para videogame: MSX, Master System e Playstation. Você controla Yui Kawa que anda pela escola, que após uma careta horrorosa, corre atrás dos kimengumi. 



Sua missão é explorar a escola e capturar os 5 kimemgumi: Dai, Jin, Kiyoshi, Rei e Go. Armas? Golpes Especiais? Não, será necessário usar vários instrumentos musicais. Além disso ela precisa sobreviver fugindo dos valentões da escola. 

GRÁFICOS E SONSOs gráficos são bem simplórios, bem coloridos transferindo o ambiente de escola. Há muitos detalhes, mas o trabalho de arte é básico como os jogos da primeira safra SMS. Yui e os kimengumi são graficamente em versões de bonequinhos cabeçudos como nas situações de piadas nos mangás. A trilha sonora pra variar se inspira na trilha sonora, mas é bem repetitiva.

TEMOS QUE PEGAR, POKÉMON!O jogo é bem simples, mas confesso que apanhei muito pra manjar os sistemas. (Confesso que entrava nas salas, fazia quase nada e fugia de todo mundo que aparecia!)O botão1 usa o menu, e o botão 2 usa os objetos do cenário. Quem já conferiu Sukeban Deka II conosco, vai ver a necessidade de mexer em quadros e carteiras da escola. O Menu possui os seguintes comandos:Take – Pega objetos.Use – Equipa os objetos para usar com o Botão 2.Throw – deixa os objetos.Talk – Bate papo com os personagensBack – Finaliza o Menu




Embora o game seja uma boa opção de “jogo sem violência”, os objetos da escola são usados para o “sistema de batalha”. Os baldes (primeiros que descobri) bloqueiam o caminho; os apagadorese o giz, usados como projéteis contra os valentões. A gaitaadormece uma galera mais braba. A comida (pãoe leite) usado para “disfarçar” garante uma invencibilidade temporária.


Você deve mexer nos objetos para encontrar itens bons. Abrindo as carteiras, você pode encontrar rãs e baratas (eca! Game-over!) precisando abrir e correr. Mas além dos itens-chave, você encontra itens que dão pontos: bananas, flores, meias e diamantes. No game-over é conferindo além do score, quantos Kimemgumi foram capturados, tornando uma boa competição a quantidade de membros e/ou quantidade de pontos. Parece que isso que inspirou o Pokémon...

AS SALAS COM VALENTÕESVocê vai achar na escola várias salas com valentões. Não dá pra confundir com os kimengumi. Se passarem por Yui, eles dão uma surra nela, ou seja, Game over! Explorar as salas é perigoso, deve evita-los ou atingi-los enquanto procura os itens para detonar os kimengumi. Há pelo menos duas salas sem itens importantes.
PRIMEIRO PASSOO primeiro item para andar no jogo é encontrar a Rope ou corda, ela que vai capturar os kimemgumi. Mas para isso, você precisa de paralisá-los ou convoca-los de alguma forma. Quando conseguir captura-los, Chie aparece e despacha a vítima da caçada.
A LIBRARYA biblioteca é o local em que você pode perguntar sobre a localização dos primeiros kimemgumi à Sra. Iwakari. Você pode achar um diamante na estante da biblioteca.


NURSENa enfermaria, além de macas e remédios, você encontrará uma régua para medir e uma balança pra pesar? Será que Yui confirma suas medidas com você?
O SHOPTalvez, shop não seja o melhor termo. É a lanchonete, onde você pode descolar um lanche para a invencibilidade temporária.
MUSIC ROOMO segredo para encontrar o Kimengumi aqui é o piano. Você vai se surpreender. Os itens musicais que tem bastante a ver com a série, recomendo usar em cada kimengumi para ver os efeitos!



LAB ROOMO laboratório é dominados pelos geeks, o estranho é que são mais fortes que os valentões. Pode haver algum item bom nestas carteiras duplas.
HEADMASTERNem preciso dizer que a Diretoria é o lugar mais perigoso. O Diretor está dormindo, e um dos seus objetos é necessário. Se ele acordar, pode chama-la e dar-lhe uma suspensão! Yui precisa descobrir uma forma de adormecê-lo ou atordoa-lo.
AS SALAS DOS KIMENGUMIS  Cabe a você descobrir qual é cada sala dos Kimengumis:
1-    SALA DE KIYOSHI Kiyoshi não pode ver um par de cílios, que fica embasbacado. Ele é meio Echii (sabe o que significa isso na linguagem otaku?) Que tal se ele achar que tem alguém gamada nele?
2-   SALA DE JIN Jin, o dorminhoco, é bem devagar e precisa dar um sacode pra acordar, se quer captura-lo.
3-   SALA DE DAIDai é meio transformista, e para captura-lo, o lance é despertar seu lado sensível, como?
4-   SALA DE GOGo está de porre,é empolgado por lutas, e se ouvir um barulho, como de um sino, é capaz de esquecer tudo e achar que está no ringue!
5-   SALA DE REIRei é o líder e Yui é veladamente apaixonada por ele. Ele não perderia a oportunidade de se mostrar bom músico ou bom esportista pra impressiona-la.
STAFF ROOMConseguiu capturar os kimengumis? Ótimo, agora você só precisa ir lá e esperar a surpresa!
_________________________________________________________
CONSIDERAÇÕES FINAISSe você conseguiu capturar todos. Beleza! Você ainda pode disputar com um colega a quantidade de membros capturados, e quantos pontos no final do game.High School Kimengumi é um game simples, mas cumpre bem o seu papel de adaptação de um anime mais engraçado do que de ação. Fica a dica de quem quer jogar sem nenhum compromisso! Até a próxima aula, classe!




Gagá Games : GAGA’s Shao Pai Long Sega Saturn Collection! [[fuente]]


Ok, ok, tava na cara que eu não ia colocar um banner novo no Gagá Games se não tivesse algo mais em mente, certo?

Pois bem… hoje eu quero apresentar a vocês o meu mais novo e ambicioso projeto retrô. Mas eu não vou simplesmente anunciar assim, com as minhas habituais piadinhas ruins. Não, desta vez eu resolvi caprichar e convocar uma atração internacional.

Senhoras e senhores! Para interpretar a canção-tema da GAGA’s Shao Pai Long Sega Saturn Collection, eu chamo ao palco a maior sensação pop da história do Japão! Diretamente da super fortaleza dimensional Macross, a senhorita Lynn Minmay!

Ah, Minmay… que beleza!

Sim, meus amigos! Eu estou começando uma coleção de Sega Saturn! Mas não é uma coleção qualquer, é a…

*** G A G A’s – S H A O – P A I – L O N G – S E G A – S A T U R N – C O L L E C T I O N ***

Ou ガガの小白竜セガサターンコレクション  ^_^

E neste momento, os mais letrados de vocês devem estar contemplando o cosmos e lançando às estrelas a questão que há anos desafia os filósofos: “WTF?”

Calma que eu explico!

segasaturn

A GAGA’s Shao Pai Long Sega Saturn Collection é uma coleção focada única e exclusivamente em jogos originais do Sega Saturn JAPONÊS (ainda que “Shao Pai Long” seja uma maneira meio macarrônica de dizer Pequeno Dragão Branco… em chinês, mas todo mundo sabe que chinês e japonês são a mesma coisa, certo? ^_^). O objetivo da coleção? Ajudar o Gagá a realizar o antigo sonho de aprender japonês para poder jogar um monte de RPGs bizarros que nunca saíram no ocidente! Tengai Makyou! Sakura Taisen! RPGs pornô de PC Engine Jogos que desafiam os padrões culturais da sociedade ocidental!

Existem muitas maneiras de se aprender japonês, mas eu decidi associar meu estudo a uma coleção de games por vários motivos:

  1. Aprender com jogos me estimula. Desse jeito, posso pular todas aquelas lições inúteis que ensinam a pedir meia dúzia de ovos ao vizinho e a dizer que o Takeda é mais alto que o Tanaka (aliás, por que diabos essa turma dos cursos de idiomas gosta tanto de comparar alturas?). Eu quero é aprender frases típicas de videogames, como “cuidado com o polvo psíquico de Asenghar!”
  2. Aos poucos eu vou montar uma pequena coleção de jogos. O Saturn tem vários jogos maravilhosos que só saíram no Japão, e dá para encontrar vários deles no Yahoo japonês ou no eBay a troco de pinga.
  3. Farei posts sobre jogos japoneses totalmente birutas, dando alguma vida ao Gagá Games. Se o estudo engatar mesmo, o Gagá Games pode acabar se especializando em retrogames japoneses esquisitões, o que seria absolutamente colossal!!!

Minhas intenções com o japonês são modestas: não quero aprender a falar ou escrever em japonês, só quero mesmo ser capaz de ler e entender o idioma, mesmo que em um nível “mim Tarzan você Jane”.

Vou deixar a explicação sobre o meu método de estudo para o próximo post, porque a explicação será tão longa e entediante que espantará 99% de vocês (ou 100% caso você não leia tudo como prometeu, mãe). Por enquanto, vamos nos concentrar na parte quente.

Para começar…

Não adianta eu já começar pegando jogos supercomplexos, porque meu conhecimento de japonês no momento é ridiculamente básico (de modo geral, não consigo entender nenhuma frase sem a ajuda de um dicionário). Por isso, vou começar pegando:

  1. Jogos com pouco texto OU com texto que não seja essencial para o progresso OU com histórias que eu já conheça. Não adianta pegar um mega RPG super complexo com uma trama enroladésima e não entender nada.
  2. Jogos com poucos kanjis. Poupando vocês de uma longa explicação, kanjis são caracteres especiais incrivelmente numerosos. Se eu me focar neles agora, vou desanimar com certeza. Felizmente há muitos jogos com um mínimo de kanjis básicos no meio, é só saber procurar.
  3. Jogos com muita repetição (comandos em menus e afins). Quanto mais repetição, melhor para eu decorar algumas palavrinhas.

Seguindo esses critérios, hoje estou dando por iniciada a Shao Pai Sat com os seguintes jogos:

shaopaisat-primeiros_jogos

Da esquerda para a direita: Macross, Phantasy Sar e Lunar

Super Dimension Fortress Macross — Ai Oboete Imasu ka (超時空要塞マクロス 愛・おぼえていますか, vulgo “Super Dimension Fortress Macross: Do You Remember Love”) é o símbolo desta coleção. Macross é meu anime favorito e um dos motivos para eu gostar tanto de coisas japonesas. A senhorita Lynn Minmay era a grande sensação pop do Macross, e minha coleção pegou emprestado o título da música que ela cantou no início deste post: Shao Pai Long (como eu já disse, o título é chinês, mas who cares?). No mais, é um jogo de nave, o texto é acessório e eu conheço a história, o que também me ajuda a entender o que está rolando enquanto aprendo um pouco. O jogo tem várias falas no meio da ação, e como em jogo de nave a gente faz as mesmas fases várias vezes, vou ver as mesmas frases serem repetidas direto. Good.

Phantasy Star Collection (ファンタシースター コレクション) eu já tinha. Os Phantasy Star de 1 a 3 não têm kanjis (por limitações técnicas, era comum RPGs da época não terem kanjis), e como eu já conheço esses jogos de cabo a rabo e seria capaz de zerá-los até em russo, é mais fácil entender o significado das frases. Além disso, os jogos têm muitos menus e itens, contribuindo para que eu memorize algumas palavras e treine a leitura. In fact, já zerei o primeiro e estou no meio do segundo.

Lunar Silver Star Story (ルナーシルバースターストーリー) foi uma pequena extravagância, eu confesso. Não acho que eu esteja preparado para um RPG desse nível agora, mas como já zerei Lunar uma vez em inglês e o jogo tem poucos kanjis, peguei só para ver que bicho dá. Provavelmente vou meter o rabo entre as pernas e desistir, deixando para mais tarde, mas até segunda ordem eu vou me iludindo que vou conseguir entender alguma coisa.

Esses jogos são os que estavam à mão para eu começar logo, mas todos fogem um pouco à minha proposta em algum aspecto (Lunar e Phantasy Star são RPGs com bastante texto e Macross tem muitos kanjis, embora a dublagem ajude). Os que mais se enquadram no que estou querendo estão com preços muito altos no Mercado Livre. A ideia é trazer direto do Japão, mas o meu amigo japa anda meio enrolado e não sei quando vai poder me mandar a muamba. Fora que leva pelo menos um mês para o pacotão chegar depois de enviado, então vou me divertindo com esses três enquanto o resto não vem.

A título de curiosidade, os jogos que pretendo trazer do Japão agora são: Waku Waku Puyo Puyo Dungeon (わくわく ぷよぷよ ダンジョン), Arcana Strikes (アルカナ・ストライクス) e Magical School Lunar (魔法学園ルナ). Se alguém tiver um desses e quiser vender por um preço ridículo justo, favor entrar em contato.

Vamos turbinar esse Saturn aí?

Quanto mais estímulo melhor, então resolvi dar um upgrade no meu Saturn.

Como vocês devem saber, console velho em TV nova é uma droga. O console tem sinal analógico, e a TV LCD faz um trabalho porquíssimo de conversão para sinal digital. O resultado? Péssima qualidade de imagem, com cores mortas e vários “tremiliques”. Por exemplo, as linhas retas dos labirintos de Phantasy Star I parecem pequenas cobrinhas rastejando pelo chão e alguns monstros e personagens parecem estar com hepatite P

Como resolver esse problema? Com…

* * * G R A N A ! * * *

Digo, com um CABO SCART que você encontra no eBay!

saturn_scart

Vou tentar explicar de um jeito mais light para vocês não caírem no sono com a teoria: lembram de quando a gente ligava o Master System à TV com aquela saída RF nojenta? Tinha que apertar aqueles parafusinhos, a imagem ficava uma porcaria… naqueles tempos dos 8 e 16 bits, o “top” para a gente era a saída de RCA, os famosos cabos amarelo, vermelho e branco. Estão lembrados?

O que a gente nem sonhava em saber naquela época é que a ligação por RCA também era uma bela porcaria. Enquanto a gente comia coxinha de galinha e se sentia na primeira classe, os europeus e os japoneses degustavam do autêntico caviar, ligando seus consoles à TV por meio de cabos SCART, com qualidade trilhões de vezes superior à oferecida pelos cabos RCA. Basta dizer que o padrão RGB enviado por meio dos cabos SCART é simplesmente o padrão original de imagem do Master, do Mega e do Saturn. Com o padrão RGB, você tem a imagem purinha, exatamente como os desenvolvedores dos jogos imaginaram. Quando a gente ligava via RF ou RCA, essa imagem era convertida e ficava toda xulebrenta. Tipo, a gente rolava na lama com os porcos e achava que estava nadando com os golfinhos em Galápagos. Como era doce o sabor da ignorância.

Pois bem, comprei o tal cabo SCART para o meu Saturn no eBay. O problema: TVs LCD não têm entrada SCART. E é aí que enta o poderoso XING-LING HYPERBLASTER INTERSTELLAR OVERDRIVE SCART TO HDMI CONNECTOR FROM OUTER SPACE — mas o vendedor prefere chamar apenas de HD Video Converter.

saturn_scart_hdmi_converter

Essa caixinha preta miraculosa recebe o cabo SCART do seu Master/Mega/Saturn e joga para fora por um cabo HDMI, todo cheirosinho, que você vai ligar à sua TV moderninha. Eu não testei, mas muita gente que manja do riscado recomenda ESPECIFICAMENTE esse modelo da foto (cuidado, há muitas imitações que não funcionam direito). O meu ainda não chegou, mas acredito que no máximo em duas semanas esteja pintando por aqui. Assim que chegar eu conto para vocês se presta mesmo.

Agora chega, já falei pra caramba… no próximo post eu conto como estou estudando e o que eu já aprendi. じゃまた! [até a próxima!]

Tweet

Retro Games Revival : The HOBBIT (Vah-ka's cut) -ZX-Spectrum (2012) [[fuente]]


The HOBBIT (Vah-ka's cut)
Faz tempo que estou pra falar de algum dos muitos jogos do Mojon Twins. Mas começar por esse jogo foi bem por acaso. É que - também - por acaso estou me divertido com ele. Até montagem com o logo eu fiz (coisa que já não fazia há algum tempo).

Esse jogo é do tipo RPG com ação / exploração. Mas o legal é que não tem muita coisa pra ficar lendo, apenas alertas. Não é longo nem muito difícil. Por isso ele me diverte.
Na verdade, se trata de um mini game (como a maioria das produções "Mojonas"), digamos que, com duas fases. Pode ter certeza que se fosse pra ler uma "grande história interativa sem fim", eu nem começaria a jogar.                       (abaixo, o logo com minha montgem de personagens ao redor)
Por falar em começar, você vai explorando as telas e se esquivando dos inimigos para encontrar o Gandalf. É isso aí! Obviamente você encarna o Bilbo nesse joguinho.
Chegando na tela onde está Gandalf, ele fará um favor para o Bilbo desvelando 13 anões até então ocultos. Bilbo deve reuni-los na volta pelas telas.
Retorne por onde havia passado e explore mais telas e passagens até conseguir reunir os 13 anões. Viu? Que nem RPGs de ação clássicos (e longos).
Reunindo os 13 anões uma mensagem de que a Entrada da Caverna está liberada surge. Que o jogador siga para lá.

Começa então a "segunda fase" e uma nova busca! Desta vez a busca será pelo... ANEL!
 O anel dará a Bilbo um breve momento de invisibilidade / invulnerabilidade.
Se o poder do anel for bem invocado, sincronizado com a ação, a breve invulnerabilidade será suficiente para Bilbo passar ileso pelos inimigos em algumas telas. Para graça do jogo, sem o poder do anel isso não será possível.
Mas qual o objetivo disso tudo? Objetivo nada nobre, diga-se de passagem. Bem, tem um grande tesouro como objetivo final da trama. Um tesouro guardado pelo Smaug, o dragão lilás.
O intento do Hobbit  era ficar podre (Potridge?) de rico a qualquer custo. Riqueza = poder... qual a diferença do bem e do mal então? Sim! Apenas o ponto de vista. De outro ponto de vista Bilbo não passa de uma criaturinha sórdida e gananciosa.
The HOBBIT (Vah-ka's cut) é um boa oportunidade para quem não tem mais saco / tempo pros RPGs clássicos (longos, cheios de leitura, idas e voltas). Eu recomendo!

Nota:
O jogo é feito com a famosa "La Churrera" do Mojon Twins. Polêmica ferramenta que solta jogos como pipoca em panela quente, mas que nem sempre soma algo. Não por culpa dos Mojonos. Eles aperfeiçoam a maquina e inovam sempre que possível. 
A verdade é que alguns operadores da maquina é que não criam nada, usam a mesma receita e lançam jogos todos iguais.
Felizmente essa não é a regra e, mesmo não operada pelas mãos do Mojon Twins, algumas pessoas conseguem bons resultado com La Churrera.


////Jogo.....: The HOBBIT (Vah-ka's cut)
////Release.: Mojon Twins (2012)
////Sistema.: ZX SPECTRUM
////Estilo....: Mini RPG de ação, Exploração
Links e Referências:WoS 
Mojon Twins

Retro Games Revival : ZERO and Castle of Infinite Sadness - MSX 1 - (2014) [[fuente]]


ZERO and the Castle of Infinite Sadness
No enredo "meio nada a ver" consta que o Castelo de Infinita Tristeza é habitato por entidades malignas que disseminam a tristeza por todo o mundo. O unico capaz de dar um fim nessa bagaça é o   ZERO. Pronto! Resumo da opera concluido!Outro jogo da  MSXdev'14   aqui no RGR (o primeiro foi o magnifico Mr. Cracksman). 

  O jogo também é de labirinto e perseguição como Mr. Cracksman. Só que Zero está mais pra um Crush Roller ou Mustache Boy, pois você tem que correr por todos os pisos de cada salão do castelo para ir para o próximo (Estágio).As forças do mal são representadas por morcegos e fantasmas. Os morcegos estão presentes desde o inicio rondando o labirinto (salões do castelo). Os fantasmas rodeiam os salões a partir do estágio 03.Existem pisos que abrem e fecham. Estes geralmente ativam painéis elétricos. Zero só pode passar por cima deles na inatividade. "Eles" no caso, são os pisos fechados e os painéis desativados. 
Não são em todas as fases que estes dois elementos estão presentes.
O tempo entre abre/fecha, ativação/desativação é em torno de 3 a 5 segundos. O ouvido fica treinado bem rápido, logo nas primeiras jogadas. 
Pra piorar, temos um tempo para completar cada estágio. Somente em algums deles temos uma colher de chá, na verdade, um piso que nos dá um bônus de mais tempo.
O jogo tem seleção de dificuldade, senhas para não começar tudo desde o inicio em uma partida futura, uns elementos de puzzle (mas bem de leve), rotinas de animação do background e de mensagens (Intro, Game Over, etc...), bons gráficos e sons... Enfim, recomendadíssimo para qualquer retro gamer. 


////Jogo.....: ZERO and the Castle of Infinite Sadness
////Release.: Alfonso D.C. (aka Dioniso) - (2014)
////Sistema.: MSX1
////Estilo....: Ação, Labirinto
Links e Referências:Zero no Karoshi 
Download no DropBox (Pacote)